Vencendo na vida: #HackathonEkos

Amanda Campelo

Hoje vim contar pra vocês sobre os pequenos prazeres da vida de “projeto de blogueira”. O de ontem foi ter sido convidada para participar  de um evento da Natura ‘0’ Primeiro que quando eu recebi o email fiquei tipo:

gif-ashley-benson-animada-feliz

Fiquei tipo “meu deus eles sabem que eu existo”

Passado o susto e a confirmação do email via telefone pela ascom da Natura aqui em Belém voltei  ser uma pessoa normal e fui dar uma olhada no que era o evento. Confesso que de cara não tinha entendido muito não e mal sabia pronunciar. Toda vez que eu lia “Hackathon” pensava em reggaeton hehe

Hackathon é uma junção das palavras “hack” (programar de forma excepcional) e “marathon” (maratona). Em resumo os hackathons são eventos que reúnem profissionais e estudantes para uma maratona que tem como objetivo promover o desenvolvimento de softwares inovadores e utilizáveis que atendam a um fim ou projeto específico. No caso da Natura, os participantes tinham que criar protótipos que oferecessem soluções para conectar a Amazônia e a natureza ao dia a dia das pessoas, principalmente aquelas que vivem nas grandes cidades.

O Hackathon Ekos é uma realização do Natura Campus e esta foi a primeira vez que ocorreu aqui na Amazônia. A edição, que é a segunda, teve como título “Hackathon Ekos: Mãos na Mata” e reuniu 32 participantes. O grupo é composto por estudantes, profissionais e consultores da Natura de quatro regiões do Brasil (26 de São Paulo, 2 da Bahia, 2 de Santa Catarina, 1 do Amazonas e 1 do Pará). O único paraense presente era o estudante de Engenharia de Produção, José Neto.

FB_IMG_1458511673744

Alguns perfis dos participantes. Fotografia: Adelaide Oliveira.

A diretora da unidade Global de Cuidados Pessoais, Claudia Pinheiro, contou que a escolha de trazer o evento para Belém foi fazer com que as pessoas pudessem justamente ter toda essa vivência da floresta que inspirou/inspira a linha “Ekos”. Segundo ela, o que se buscou com essa jornada foi realizar experiências que mudassem vidas para que cada vez mais ampliar a rede de pessoas que estão conectadas com a natureza.

E pode-se dizer que o resultado foi atingido com sucesso, viu? Esse impacto já foi sentido pelo publicitário Leandro Correia que é de Suzano (SP): “essa experiência fez com que eu enxergasse algumas coisa de outra forma. Por exemplo, tem um paque perto da minha casa que eu nunca fui porque sempre achei que a dinâmica de organizar toda a família pra esse passeio seria enorme, mas tendo esse contato com a natureza percebi que é tudo muito mais simples do que eu pensava e bastante recompensador. Sem contar que eu nunca pensei que viria ao Pará, né? E perceber como os membros da comunidade em Moju trabalham com a tecnologia vai me fazer enxergar o meu trabalho, que envolve bastante tecnologia, de outra forma”.

_MG_2595

Visita dos participantes a Comunidade de Jauari em Moju (PA). Fotografia: Luly Mendonça.

E toda essa loucura que foi a maratona durou quatro dias. A galera chegou em Belém (muitos deles pisando em solo paraense pela primeira vez) na quarta-feira e nem deu tempo de descansar muito não, porque na quinta de manhã foi dia de visitar a comunidade de Jauari em Moju (PA). Por lá, os 32 participantes e outras pessoas tiveram a oportunidade de vivenciar de perto uma das comunidades parceiras da Natura e puderam entender melhor sobre esse contato com a natureza que o #HackathonEkos tava propondo.

Fui convidada apenas pro último dia de evento, o da apresentação dos resultados, então não fui pra viagem pra Moju. Mas deixo vocês aqui com as responsáveis por 70% do PIB das blogueiras paraenses em uma só foto:

blognovamodda-1458523529918

Ste, Paulinha, Luly, Euzimara e Rebeka. Fotografia: @blognovamodda

IMG_1697

Vista pro Rio :3 Fotografia: Luly Mendonça.

IMG_1567

Babei? Babei! Fotografia: Luly Mendonça.

Depois dessa delícia (literalmente) de passeio e troca de experiências na comunidade é que veio a pauleira: dois dias intensos de maratona de prototipagem. No primeiro dia (sexta), os grupos já apresentaram seus projetos iniciais baseados nas informações coletadas a cada minuto durante o evento. Sábado, os trabalhos continuaram e os projetos foram ficando mais palpáveis para a apresentação de domingo. E, é claro que, muitos projetos só foram finalizados em cima da hora em meio a muita correria.

Foram utilizados tanto ferramentas de programação e interface digital como a cortadora Laser. Além disso, O espaço de prototipagem estava incrementado com duas impressoras 3DCloner, comandadas por nossos parceiros da E.TECH, que ajudaram muito no processo de desenvolvimento. (Fonte: Site Natura Campus)

O último dia (aaaaaah) foi ontem e rolou a apresentação dos 8 protótipos e a premiação do melhor projeto que foi ~que rufem os tambores~ o do grupo em que o paraense estava! E NÃO FOI MARMELADA NÃO VIU ❤ O “Quintal Mágico” foi eleito o protótipo mais bem desenvolvido pelos jurados. E quem explica mais sobre ele pra gente é o próprio José Neto:

zéneto5

Imagem: José Neto.

Projeto Quintal Mágico

A ideia: Um plano de assinatura de sementes que conecta conhecimentos populares com novas tecnologias e dá um suporte para o progresso do seu quintal.  Qualquer pessoa pode ter um espaço em casa que possa ser chamado de quintal, não importa o tamanho, basta que tenha natureza em forma de pequenas plantas ou até grandes árvores. A entrega mensal do Clube Quintal Mágico é de um pacote de sementes selecionadas por pessoas que possuem o conhecimento popular das plantas + um sensor que irá ajudar no cuidado específico desta planta. A tecnologia atual disponível já oferece várias possibilidades de sensores.

O primeiro escolhido pelo Clube é o mais essencial: o sensor de umidade do solo, que irá indicar e notificar quando a planta precisa de água. E essa é a magia do quintal, as plantas irão conversar com os seres humanos. A tecnologia entra no pacote para facilitar a comunicação entre as plantas e as pessoas, não para automatizar ou substituir o contato com a natureza, mas sim para aproximar ou mesmo iniciar o relacionamento de uma pessoa com a natureza, dentro da sua própria casa. Esse é o resumo do projeto.

zéneto

Equipe vencedora (Paulo Paciência, Luiza Voll, Marcela Porto e José Neto) e os jurados.

Esse foi o primeiro Hackathom do José e ele, mesmo antes de levar a premiação, já tinha confessado durante uma espécie de coletiva que rolou durante o evento, que essa experiência foi muito bacana pra ele por ter possibilitado o contato com pessoas de diferentes perfis e profissões; por ter participado de algo tão grandioso sem a necessidade de sair do seu estado; e também porque a maratona lhe possibilitou enfrentar vários desafios e superar os erros de uma forma que nunca havia acontecido. Ele contou que durante o Hackathon os erros precisavam ser superados ~sem drama~ para que o sucesso do projeto fosse atingido. E deu mais do que certo, né, mores?

Por fim, o que eu pude observar mesmo tendo participado de um breve momento do Hackathon, é que todas as etapas foram muito produtivas e transformadoras. Principalmente porque todos os envolvidos estavam 100% entregues a essa experiência. Tanto que mesmo com apenas um grupo sendo premiado, todos saíram com aquela sensação boa de que ganharam muito mais. E esse era um dos princípios do evento.

P.S.: Quero amizade sincera com a Natura e o Atrium Quinta de Pedras (hotel onde a maior parte do evento ocorreu) por motivos de QUE COMIDA MARAVILHOSA MEU DEUS ❤ Obrigada, por nada!

2 comentários sobre “Vencendo na vida: #HackathonEkos

Gostou das dicas?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s